Nossa API será obrigatoriamente autenticada


A partir do dia 9 de novembro de 2020 nossa API aceitará somente requisições autenticadas. Entenda como acessá-la a partir dessa data e porque precisamos fazer essa alteração:

Como acessar a API autenticada

Em resumo: você precisará criar cadastro na plataforma, criar um token e enviá-lo no cabeçalho HTTP Authorization. Vamos ao passo-a-passo:

  • Caso você não possua um cadastro na plataforma, cadastre-se e confirme seu email;
  • Autentique-se na plataforma;
  • Acesse a página de criação de API tokens, crie um e guarde-o em local seguro;
  • Ao criar programas que acessem a API do Brasil.IO, utilize apenas o host api.brasil.io (em vez do antigo brasil.io/api) e envie o cabeçalho HTTP Authorization com o valor Token <seu-token>. Veja um exemplo em Python: brasil_io.py (em breve essa biblioteca estará disponível no Python Package Index).

Você já pode alterar seus programas agora e testá-los na API e, caso as requisições sejam feitas com sucesso utilizando a autenticação, você não precisará fazer alterações em seus programas no dia 9 de novembro. Caso tenha problemas, entre em contato conosco.

IMPORTANTE: caso você precise acessar uma quantidade muito grande de dados, é provável que seja mais eficiente baixar os datasets completos. Para entender como fazer isso e detalhes de como acessar os dados através da API, veja nosso artigo Como acessar os dados do Brasil.IO.

Entendendo o Problema

Apesar de existir como é hoje desde 2018, o Brasil.IO ganhou muita visibilidade após lançarmos o dataset COVID-19 em março de 2020, o que mostra a carência por dados abertos acessíveis sobre a pandemia e a importância de nosso trabalho. Desde março, além de diversas demandas para sanar dúvidas sobre os dados e entrevistas sobre os apagões de dados, precisamos fazer (e fizemos) várias otimizações no código do nosso backend para que a API funcionasse mais rapidamente e conseguisse atender a todos; essas alterações (como implementação de um sistema de cache mais robusto) nos tomaram tempo, mas foram necessárias devido ao novo tamanho e às novas responsabilidades que o projeto assumiu.

Apesar de pequenas lentidões pontuais, conseguimos contornar o problema da quantidade de acessos, até que durante dias recebemos uma quantidade enorme de requisições complexas (com muitos filtros, custosas aos nossos servidores) aos dados do auxílio emergencial, desproporcional com o tamanho da plataforma (mesmo depois do recente crescimento). Essas requisições impactaram negativamente a experiência de quem acessa o site, deixando-o mais lento que o normal e impossibilitou, inclusive, que diversas pessoas voluntárias pudessem subir os dados da COVID-19, que são atualizados várias vezes por dia e utilizados por diversas instituições no acompanhamento da pandemia no Brasil.

Sempre acreditei que a API do Brasil.IO deveria ser aberta (sem autenticação), para facilitar o uso dos dados, por exemplo na criação de aplicações Web front-end que não necessitem de um backend próprio. Isso potencializa o controle social, como mostrei em uma palestra em 2014 durante o Fórum Internacional de Software Livre, antes mesmo do Brasil.IO existir como é hoje.

Porém, a partir do momento em que essas requisições impedem que outros usuários acessem o site e que consigamos fazer a atualização devida, precisamos tomar alguma atitude. Emergencialmente, implementamos limites à quantidade de acessos por IP por minuto e bloqueios para os IPs que excederem várias vezes os limites (bloqueando diretamente na CloudFlare, a rede de distribuição de conteúdo que utilizamos, e baixando a pressão sobre nossos servidores). Também precisei entrar em contato diretamente com alguns provedores, reportando o abuso vindo de alguns IPs (nem todos responderam).

Com os limites e bloqueios a plataforma se estabilizou, mas sabemos que essa não é a melhor alternativa a longo prazo. Queremos aumentar os limites e gostaríamos de ter contato mais próximo com quem usa a API (pelo fato de não conseguirmos identificar as pessoas que fizeram essas requisições, tivemos dificuldade não somente em comunicar melhores práticas de acesso aos dados, como também de bloquear mais facilmente esses usos abusivos). Por isso, decidmos que todo acesso à API será autenticado e, para isso, melhoramos nosso cadastro, adicionando captcha e confirmação por e-mail. A partir do cadastro mais robusto conseguiremos não somente controlar os acessos (e bloqueá-los, se necessário), mas também contatar os responsáveis por eventuais abusos.

Se você quiser saber mais detalhes técnicos por trás dessa decisão, acesse as issues 392, 426, 427, 438 e 474. Também estamos trabalhando na melhoria da API na issue 488.

Ataques ou uso massivo?

É possível (apesar de eu achar improvável) que a(s) pessoa(s) que fez(fizeram) todas essas requisições nocivas não tenham feito com o intuito de atacar a plataforma, mas de fato o resultado foi prejudicial a todos os usuários. Seria muito mais fácil e eficiente tecnicamente se a pessoa simplesmente baixasse o dataset completo.

As características do ataque me levam a crer que tenha sido um DDoS (distributed denial of service), pelo fato de serem muitas requisições de IPs completamente diferentes e mirando apenas um dataset, com filtros muito parecidos. Além disso, na mesma época em que sofremos esses ataques, o Portal da Transparência do Governo Federal também recebeu muitas requisições (tornando seu uso bastante lento) para o mesmo dataset e cheguei a receber um email de alguém supostamente da Polícia Federal, exigindo que eu retirasse do ar esses dados pois estavam sendo usados por criminosos (o que não faz sentido, dado que os dados são públicos e temos total respeito com a privacidade das pessoas descritas nesse dataset, não informando dados sensíveis como CPF, mesmo que a fonte oficial divulgue essas informações).

Se você não sabe o que é um ataque DDoS, imagine uma pizzaria que recebe 50 pedidos por dia em média e, num determinado dia, passa a receber ligações de diversas pessoas a partir de telefones que nunca antes ligaram, fazendo um total de 500 pedidos, passando endereços falsos. Imagine o caos na cozinha dessa pizzaria nesse dia e a quantidade de clientes fiés que não terão suas pizzas em casa no tempo previso. Em outras palavras, num ataque de negação de serviço o atacante estressa o sistema com requisições inválidas, para que o sistema não consiga atender aos clientes reais. Vale notar que no caso do Brasil.IO os “clientes” não pagam pelo serviço e os “cozinheiros” são voluntários que doam seu tempo com o objetivo de disponibilizar dados brasileiros mais acessíveis.

Lições Aprendidas

  • Não podemos contar com o bom senso das pessoas para questões que podem impactar negativamente o projeto: infelizmente, muitas vezes pessoas agem sem empatia e foi exatamente o que aconteceu nesse caso. Algumas (possivelmente poucas) pessoas abusaram da API e fizeram com que muitas outras pessoas fossem prejudicadas (nesse caso, desabilitamos a API para esse dataset e não prosseguimos com a atualização de dados que estava programada). Em casos como esses precisamos assumir uma postura defensiva.
  • Precisamos investir mais tempo em educar usuários: tempo não investido em mostrar aos usuários da plataforma como utilizá-la da melhor forma é revertido em tempo gasto na mitigação dos problemas causados por isso e, com isso, teremos menos para evoluir a plataforma, adicionando funcionalidades e datasets. Nesse ponto, precisamos melhorar a documentação de uso e contribuição com a plataforma (esse caminho já está sendo trilhado).
  • Precisamos nos aproximar mais dos usuários: fica evidente a necessidade de estarmos em contato mais próximo com quem utiliza nossos dados e a plataforma (esse foi um dos motivos de obrigatoriedade da API: assim conseguimos identificar cada um e, caso necessário, entrar em contato). Para ajudar a resolver isso, criamos um canal no Telegram, reativamos nossa conta no Twitter e me comprometo a publicar relatórios mensais (como o de setembro de 2020).

Como Você Pode Ajudar

Ainda temos muito trabalho a fazer e, se você quiser nos ajudar nesse jornada de tornar acessíveis os dados públicos brasileiros, considere doar em nossa campanha de financiamento coletivo ou se unir às pessoas voluntárias do projeto COVID-19 através do nosso chat.